NOTA DE REPÚDIO

Em 31 de março de 1964 a democracia foi violentada, estuprada e humilhada. Em um ato que envergonhou a Nação, suas forças armadas atropelaram a história para sequestrar o poder do povo e deixar uma indelével mancha de ilegítima violência. Endividaram o país, aumentaram o desemprego, desmoralizaram a política, entregaram o país ao estrangeiro.

Por isso, causa espanto não apenas a ausência de pedido de perdão pelas cassações, prisões extrajudiciais, torturas e mortes, inclusive de milhares de indígenas, ocorridas nesse período infame, mas que o ministro da Defesa de um governo apenas formalmente democrático comemore essa data como uma vitória, neste ano de luto pela omissão do governo militar-bolsonarista para controlar a pandemia.

Depois do trabalho consciente, metódico e sistemático dos historiadores brasileiros e estrangeiros para mostrar que nessa data se perpetrou um Golpe Militar contra a normalidade institucional, os militares, que se mostraram despreparados para cumprir a missão para a qual são muito bem pagos, querem corrigir o trabalho de abnegados historiadores para dar sua versão terraplanista dos fatos.

Exigimos dos militares que voltem aos quartéis de onde não deveriam ter saído; que sejam patriotas e reconheçam seus erros; que abandonem seu projeto de poder e que se reconciliem com a sociedade brasileira para se subordinar ao projeto de Defesa Nacional.

 

GEDES

compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no google
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Deixe um comentário